Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

amulherqueamalivros

Seg | 16.07.18

AS TRÊS VIDAS | JOÃO TORDO

Cláudia Oliveira

 

 

IMG_20180716_115903_HDR.jpg

 

Editora Companhia das Letras

Data Maio 2018

Sinopse

 

História de amor, saga familiar, mistério policial, retrato de um mundo que ameaça resvalar da corda bamba, Três Vidas é um dos mais importantes romances de João Tordo, tendo-lhe valido o Prémio Literário José Saramago.


António Augusto Milhouse Pascal vive longe do mundo, num velho casarão alentejano, com os três netos pouco dados a regras e um jardineiro taciturno. O isolamento é quebrado pelas visitas de clientes abastados que procuram ajuda do velho patriarca, em tempos um importante espião e contra-espião, testemunha activa das grandes guerras do século XX. O nosso narrador - um lisboeta de origens modestas - entra na história quando Milhouse Pascal o contrata como arquivista dos segredos que envolvem os seus clientes. Não poderia adivinhar o rapaz, ao aceitar o trabalho, que este acabaria por consumir a sua própria vida. A partir do momento em que se apaixona por Camila, neta do patrão com sonhos de ser funambulista, que desaparece após uma viagem a Nova Iorque, o destino do narrador enreda-se irreversivelmente nos mistérios da família, partindo a sua existência em três.

 

Opinião

Cada livro que leio do João Tordo é uma surpresa. Teve a capacidade de reinventar-se, experimentar e arriscar. Sendo esta uma história de amor, uma saga familiar, um mistério policial acabou por trilhar por diversos caminhos, portanto temos a sua obra mais completa a nível criativo. Um novelo que precisa de ser desenrolado pelo leitor até ao fim, envolto em mistério e peripécias entre várias cidades (Lisboa, Alentejo, Nova Iorque). 

 

Apesar de mais uma vez nos presentear com histórias onde os homens são os protagonistas, a menina Camila é quem mais brilha neste enredo. A grande paixão do nosso narrador. Um homem com raízes humildes que aceita trabalhar para um homem excêntrico de forma a ajudar a família com as despesas. Foi sem dúvida a Camila que mais me cativou, ela e a sua forma de olhar a vida e amar a liberdade. Mas todas as personagens são interessantes, têm alguma peculiaridade que as torna próximas e profundas.

 

Senti o tom deste romance menos melancólico, menos dramático. Talvez seja o livro ideal para conhecer o trabalho de João Tordo, apesar do meu preferido continuar a ser O Luto de Elias Gro (preciso de ler os seguintes da trilogia). É notável a mudança do escritor, desde o Prémio José Saramago em 2009. 

 

É um livro grande, que se lê muito bem. Somos levados para dentro das cenas, fazemos as mais diversas teorias sobre o misterioso António Pascal, o patrão do narrador. Conhecemos os seus três netos, um trio divertido e pouco vulgar. Torcemos pelo protagonista, procuramos respostas encontramos mais perguntas. As cenas marcadas pela arte do funambulismo são muito sedutoras, dão um toque mágico a todo o enredo. Consegui imaginar perfeitamente aqueles momentos, acho que são as minhas preferidas. 

 

Não foi um livro transformador ou marcante. Foi uma leitura sem efeitos e divertida. Talvez um bocadinho extensa sem necessidade, mas agradável no seu todo. Recomendo sempre João Tordo.   

Comentar:

CorretorEmoji

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.