Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

amulherqueamalivros

Sex | 27.05.16

Alucinadamente Feliz | Jenny Lawson

Cláudia Oliveira

IMG_0051.JPG

 

 

No Goodreads

Minha pontuação 4*

 

Com este livro soltei gargalhadas no escuro do meu quarto. De forma divertida, Jenny expõe os seus problemas. Ela sofre de depressão, ansiedade, transtorno mental, distúrbio de automutilação, transtorno de personalidade. Mas ao contrário do que seria de esperar, ela é uma pessoa com um sentido de humor incrível. Este livro está longe de ser aborrecido. 

 

O objectivo da Jenny é ser alucinadamente feliz, viver a vida com consciência dos seus problemas. É de forma despretensiosa que ela aborda as doenças e dá alguns conselhos. 

 

"Você aprende a reconhecer que o que faz você feliz é muito diferente do que as pessoas dizem que deveria fazer você feliz".

 

Nunca sofri nada do género, mas cada vez conheço mais pessoas com depressão e  ansiedade. Nunca sei muito bem como ajudar ou abordar este assunto. Às vezes, é fácil fingir que não existem, mas não é essa a melhor solução. Então, vou lendo livros sobre o tema e procurar algumas respostas. 

 

"Quando compartilhamos nossas batalhas, outras pessoas reconhecem que podem compartilhar as suas. E, de repente, percebemos que as coisas que nos envergonham são as mesmas que todo o mundo enfrenta uma hora ou outra."

 

Com este livro aprendi que é possível ser alucinadamente feliz, desde que tenhamos amigos ou familiares que se preocupem connosco e estejam ao nosso lado até na loucura. Este livro chega como uma lufada de ar fresco no meio de livros nostálgicos e tristes. A escrita da Jenny é muito próxima do leitor, como se estivéssemos a escutar uma amiga. 

 

"Suspeito que na outra vida eu tenha sido uma estátua, porque sou muito boa nisso."

 

Sinopse numa frase: Jenny quer ser alucinadamente feliz enquanto toma vários comprimidos para transtornos mentais. 

Sex | 20.05.16

A Noite Não é Eterna | Ana Cristina Silva

Cláudia Oliveira

IMG_9852.JPG

No Goodreads 

Minha pontuação 2*

 

Um dia, enquanto a Nadia está adoentada na cama, o seu marido leva o filho comum de três anos para integrar um exercito criado pelo ditador romeno Nicolae Ceausescu. Ele continua a viver a vida como se nada tivesse acontecido, ela quer rever o filho e vingar-se. 

 

A escrita da Ana Cristina Silva é muito fluida, não enrola os acontecimentos, a história não perde o ritmo em momento nenhum. Não conseguia terminar de ler até descobrir o final. No entanto, acho que o final ficou muito aquém das minhas expectativas. Desiludiu-me. Apesar de ter sido coerente com as restantes atitudes, esperava que ela me surpreendesse, mas não foi o caso . A Nadia irritou-me várias vezes, o marido dela também. E isso prejudicou a minha apreciação. 

 

Esta história é o retrato de um casamento infeliz, onde o medo domina a mulher e a impossibilita de ser feliz. A violência é silenciosa e tenebrosa.

 

Não fiquei emocionada nos momentos de grande tensão. Achei a escrita muito apática. O enredo tinha tudo para tornar este livro num romance de tirar o fôlego, mas não foi o caso. 

 

Sinopse numa frase: Nadia precisa de encontrar o seu filho antes que seja tarde.

Sex | 20.05.16

Perdas e Ganhos | Lya Luft

Cláudia Oliveira

IMG_9833.JPG

 

 

No Goodreads

Minha pontuação 4*

 

Foi o meu primeiro contacto com a escrita desta autora brasileira e fiquei agradavelmente surpreendida. Quero ler mais livros escritos por ela. Comecei a ler Perdas e Ganhos no ginásio mas tive de parar nas primeiras páginas porque acabei emocionada e precisava de recuperar o fôlego. 

 

A escrita da autora é delicada, bonita na sua simplicidade e muito afectuosa. É como estar a conversar com uma amiga que nos conhece muito bem. São palavras sobre a vida, sobretudo sobre o amor e a felicidade. Lembrei-me muito da escrita da Eliane Brum quando estava a ler este livro. 

 

"...digo que somos importantes e bons, e capazes, mas também digo que somos tantas vezes fúteis, que somos medíocres demasiadas vezes. Digo que poderíamos ser muito mais felizes do que geralmente nos permitimos ser, mas temos medo dos preços a pagar. Somos covardes. Mas há de ser um livro esperançoso: sou dos que acreditam que a felicidade é possível, que o amor é possível, que não existe só desencontro e traição, mas ternura, amizade, compaixão, ética e delicadeza."

 

"Marcados pelo que nos transmitem os outros, seremos malabaristas em nosso próprio picadeiro. A rede estendida por baixo é tecida de dois fios enlaçados: um nasce dos que nos geraram e criaram; o outro vem de nós, da nossa crença ou da nossa esperança."

 

Neste livro a Lya Luft mostra-nos o mundo através das suas palavras. Um mundo ingrato, mas bonito na maioria das vezes. Ela dá a entender que perdemos tempo com coisas desnecessárias, que devíamos aproveitar mais a nossa família e a beleza da vida. Eu concordo com ela. 

 

Um livro para quem gosta de crónicas e de escutar os conselhos da sabedoria. 

 

Sinopse numa frase: Lya Luft mostra como viver é tão simples e belo.