Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Mais sobre mim

foto do autor


QUER ANUNCIAR O SEU LIVRO? contactoclaudiaoliveira@gmail.com


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Viagens Na Minha Terra | Almeida Garrett

por Cláudia Oliveira, em 13.10.15

Alguma vez li este livro? Pensava que sim. Recordo-me muito bem das primeiras páginas, apaguei da memória as restantes. 

Almeida Garrett escreveu Viagens Na Minha Terra em 1846. Este livro mistura imensos géneros literários e estilos. Foi inovador na sua época por isso mesmo. Primeiro começa com a decisão do narrador em fazer uma viagem até Santarém. São feitas várias descrições assim como pensamentos filosóficos. Várias referências a outros escritores e uma crítica ao romantismo. Fiquei admirada com as suas palavras sobretudo quando o autor, com pouca humildade, fala na sua obra.

A história acaba por mudar várias vezes de estilo. Quando chega a Santarém começa a contar a história de amor de Joaninha e Carlos. A viagem fica para segundo plano. Conhecemos também Frei Luís, o vilão desta história.

Simultaneamente Almeida Garrett faz uma crítica à sociedade e descreve a situação política do país. A Revolução Liberal é o pano de fundo deste livro. Almeida Garrett defende o liberalismo, através da sua obra mostra claramente a sua posição. Senti falta de maior conhecimento para entender esta obra na perfeição. Fiz várias pesquisas de forma a enquadrar-me no tempo e espaço.  

A leitura é feita de forma muito lenta, características do romantismo. Bastantes descrições, está feito o aviso. Foi uma experiência muito positiva ler (reler?) este livro. Não recordava um Almeida Garrett tão divertido. Sarcástico. O que mais gostei neste livro foi a forma como o narrador comunicava comigo. Aquela sensação que um amigo estava a contar-me uma história, a viajar comigo. 

Dei três estrelas. 

 

Fiz uma leitura compartilhada com a autora do blog Diário de Leituras. Podem ler a sua opinião AQUI.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Mais sobre mim

foto do autor


QUER ANUNCIAR O SEU LIVRO? contactoclaudiaoliveira@gmail.com


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D