Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




SOU LEITORA BETA CONTACTE-ME PARA AVALIAÇÃO contactoclaudiaoliveira@gmail.com

BREVEMENTE

Resultado de imagem para mario de carvalho novidade porto editora  Cronovelemas






CLUBE DOS CLÁSSICOS VIVOS

Resultado de imagem para a ilustracasa de ramires asa eça

Toda a Luz Que Não Podemos Ver | Anthony Doerr

por Cláudia Oliveira, em 06.10.16

 

No Goodreads

Minha pontuação 3*

 

Um ano depois do prémio Pulitzer li o livro Toda a Luz Que Não Podemos Ver, do autor Anthony Doerr. Um livro com a temática das minhas preferências (Segunda Guerra) e com uma personagem que me despertou a curiosidade: Marie Laure, uma menina cega. 

 

No geral, gostei do livro, mas sei que um dia mais tarde vai acabar por ficar no fundo da minha lista de "livros na segunda guerra" e não vou recomendar a muita gente. O livro é bem escrito apesar de repetir inúmeras vezes as mesmas palavras. Cada capitulo, curto (felizmente!) dá o ritmo que o livro perde no estilo da narrativa. Frases curtas, secas, descrições absolutamente bizarras. 

 

Os personagens são bem construidos. São os coitadinhos da Segunda Guerra. Um jovem, órfão, na Juventude Hitleriana. Uma menina cega. Um homem com uma doença grave. Tanto sofrimento num livro já por si no pior dos cenários. Adoro a forma como se cruzam. 

 

O livro não foi escrito para agradar às massas, pelo contrário. O autor não puxa à lágrima forçamente como outros romances. Não é a história que todos estão à espera que seja, e isso é bom. É a história passada na segunda guerra mais original de todas. 

 

Os meus capítulos preferidos são dedicados à menina cega. Muito visual. Acho que o autor se superou na forma como consegue captar as sensações da própria personagem. Tirava a tendência para os elementos mágicos que me irritou solenemente. Mas lá está, em momentos de sofrimento todos procuramos onde nos agarrar. O final, no geral, não me agradou.

 

Acho que a história foi desnecessariamente alongada, alguns capítulos não acrescentaram nada à história. Foi difícil ter uma ligação emocional às personagens. Contudo, as últimas duzentas páginas agradaram-me, a história acabou por ter algumas reviravoltas e a delicadeza da escrita do autor conquistou-me.

 

Não é um livro banal sobre a segunda guerra. Nesta leitura, acabei por aprender outros detalhes que eu desconhecia. Aprendi bastante.

 

"Fechar os olhos em nada nos faz adivinhar o que é a cegueira"

Autoria e outros dados (tags, etc)




SOU LEITORA BETA CONTACTE-ME PARA AVALIAÇÃO contactoclaudiaoliveira@gmail.com

BREVEMENTE

Resultado de imagem para mario de carvalho novidade porto editora  Cronovelemas






CLUBE DOS CLÁSSICOS VIVOS

Resultado de imagem para a ilustracasa de ramires asa eça