Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

amulherqueamalivros

NOVIDADE | "1640" | DEANA BARROQUEIRO

00 capa.jpg

 

 

O primeiro romance histórico que li na vida foi desta autora, o maravilhoso "Sebastião e o Vidente" ( teve uma nova edição revista o ano passado).  Muitos anos depois a escritora Deana Barroqueiro regressa com "1640". Foi bom saber que ainda continuar a trabalhar nos seus livros. Aposto que este novo título é um trabalho requintado e primoroso. A escrita dela é maravilhosa, recomendo muito para quem gosta do género. 

 

SINOPSE

 

1640 é um marco fundamental na História de Portugal, o da Restauração da Independência, após 60 anos de domínio espanhol, quando os portugueses se revoltaram e elegeram um rei natural, D. João IV.

O meu novo romance, «1640», retrata a luta de Portugal contra o domínio de Espanha. A acção decorre entre 1617 e 1667, período riquíssimo em factos, dramas e personagens, que lutam pela sua libertação e sobrevivência, face a uma crise social, económica e política, imposta por Filipe IV/Olivares, coadjuvados por Diogo Soares e Miguel de Vasconcelos, um triunvirato que só terá paralelo na Troika de 2011.

Quatro guias singulares conduzem o leitor nesta viagem ao passado, através dos seus dramas pessoais e colectivos: o poeta proscrito Brás Garcia de Mascarenhas, autor da epopeia Viriato Trágico; a professa Violante do Céu, a Décima Musa da poesia barroca, enclausurada no convento; D. Francisco Manuel de Melo, o maior prosador ibérico do Século XVII, prisioneiro na Torre; e o P.António Vieira, o mais brilhante pregador do seu tempo, a contas com a Inquisição.

Actual é também a luta da Catalunha pela independência, que ajudou à nossa.

NOVIDADE | "PAREM TODOS OS RELÓGIOS" | NUNO AMADO

 

Tinha lamentado recentemente que um dos autores portugueses que mais gosto nunca mais tinha lançado um livro. Recebi hoje a noticia que afinal vem aí um livro novo do Nuno Amado. Sai no dia 28 de Novembro pela Oficina do Livro. Tantas novidades a sair este mês! Quero, obviamente.

 

SINOPSE

Aos trinta e seis anos, a professora de literatura Helena Remington apaixona-se loucamente por um italiano de visita a Lisboa. O romance entre os dois, intenso e tórrido, é, porém, abruptamente interrompido por um acidente de automóvel na costa italiana onde ambos passavam férias.

Decorridos vinte anos sem notícias de Fabrizio, Helena recebe uma carta da filha dele com um pedido ousado e urgente. Para o satisfazer, terá de lançar-se na mais arriscada aventura da sua vida, envolvendo-se com gente perigosa numa autêntica corrida contra o tempo. Tudo para salvar o homem que tanto amou. 

Muitos anos mais tarde, Carlos - o sobrinho-neto preferido de Helena - conhece Francesca, uma rapariga italiana que também precisa de ser salva e que o destino transforma em tradutora de cartas de amor. 

Parem todos os Relógios é uma narrativa fluida e aliciante sobre as consequências do amor, que combina magistralmente elementos de thriller policial, história de amor e épico familiar.

NOVIDADE | OS CEM MELHORES POEMAS PORTUGUESES DOS ÚLTIMOS CEM ANOS | VÁRIOS

 O quão maravilhoso deve ser este livro? Num país de poetas este livro é necessário e urgente. Quero, quero muito. A reunião destes poemas foi feita pelo José Mário Silva.

 

SINOPSE

Entre grandes nomes canónicos já desaparecidos e jovens e promissórias vozes, o mundo da poesia portuguesa contemporânea é-nos apresentado com uma frescura e originalidade inesperadas e os poemas vão guiando o leitor numa viagem íntima por esse mundo à parte e imorredouro, apesar de actualíssimo, que é a poesia. Reúne poemas de autores como Fernando Pessoa, Camilo Pessanha, Jorge de Sena, Vitorino Nemésio, Sophia de Mello Breyner Andresen, Herberto Helder, Alexandre O'Neill, Mário Cesariny entre outros.

NOVIDADE | "DIÁRIO DE GRATIDÃO" | AUTORA-MISTÉRIO

Capa_Diário da Gratidão_300dpi.jpg

Assim que meti os olhos neste livro fiquei em pulgas para o ver. Tenho feito diariamente exercícios pessoais de gratidão, com ajuda facilita imenso. Este livro traz o planeamento necessário para conseguir organizar a mente e estimular a gratidão na nossa vida. Adoro o conceito deste livro. Tudo. Não vejo a hora de ter este menino nas minhas mãos e partilhar convosco. Estou a pensar dividir convosco a experiência ou até fazer uma espécie de projeto, o que acham? A gratidão é o melhor bem que podes dar a ti mesmo. 

 

Ninguém sabe quem escreveu este livro, é uma autora mistério, mas agradeço por esta ideia. 

 

SINOPSE

 

Diário de Gratidão é um ginásio do pensamento e da sensibilidade. Está organizado por meses e tem desafios semanais que ajudam cada um de nós a tornar-se mais feliz e a fazer os outros mais felizes. O bem é contagioso. Este é o livro que o incita a fazer o bem. Com treino. Primeiro, faz-se um pacto: é o compromisso com o bem. Depois, pede-se que se façam três listas: Ser (o que sou traz-me alegria?); Ter (o que preciso ter para ser feliz?) e Fazer (o que me faz feliz?). Todos os dias é pedido que se registe cinco acontecimentos pelos quais se está grato. Deixe a gratidão invadir a sua vida.

O objetivo do Diário de Gratidão é colaborar no planeamento e execução das pequenas alterações e dos pequenos ajustes para que cada um de nós se torne numa pessoa mais feliz, para que chegue à melhor versão de si mesmo. O objectivo deste livro é criar, primeiro, uma disciplina e, depois, uma rotina de bem-estar.

 

Dia dois de Novembro nas livrarias. 

NOVIDADE | "ONDE CANTAM OS GRILOS" | MARIA ISAAC

A partir de hoje já podem comprar "Onde Cantam os Grilos" da escritora portuguesa Maria Isaac. Segundo o nosso Joel Neto, «A pérola escondida da ficção nacional». Maria Isaac nasceu no norte de Portugal, numa pequena vila cheia de espaço e onde as pessoas sorriem e falam alto. É escritora, tradutora e colabora em vários projetos editoriais. Hoje vive em Lisboa, rodeada de livros. Tudo neste livro grita qualidade. E esta sinopse? Maravilhosa. 

 

SINOPSE

Ainda bebé, Formiga foi deixado num cesto nos degraus da casa da Herdade do Lago.
O mistério da sua chegada é apenas mais um na longa história da herdade e das várias gerações dos Vaz, que a assombra de lendas e maldições: uma fonte inesgotável de mistérios fascinantes para a imaginação do rapazinho cabeça de vento.

Deslumbrado pela vida da família que venera de forma atrapalhada, Formiga corre e trepa a árvores, encolhe-se, faz-se invisível, inventa um pouco de tudo para conseguir acompanhar conversas, descobrir mais um segredo.
Mas o último segredo que ele descobre revela-se demasiado grande para a curiosidade bem-intencionada de uma criança, e um erro seu acaba por destruir o único mundo que conhece e pôr fim à sua infância.

Mais de vinte anos depois, Formiga regressa à Herdade do Lago e escreve para um leitor invisível, relembrando tudo o que foi e que não deveria ter sido.
Uma história doce contada pela voz de um adulto que fala pela criança que foi um dia."

 

NOVIDADE | "MIL VEZES ADEUS" | JOHN GREEN

 

Gosto mil vezes mais da capa original, mas vamos ultrapassar isso. Gosto mais do título português do que o título dado o Brasil. "Mil Vezes Adeus" tem aqui um exagero na despedida. Gosto. Estou curiosa e vou ler este lançamento da Asa, dia 10 de Novembro. Quase quase. 

 
 
SINOPSE
 

Não era intenção de Aza, uma jovem de dezasseis anos, investigar o enigmático desaparecimento do bilionário Russell Pickett. Mas estão em jogo uma recompensa de cem mil dólares e a vontade da sua melhor amiga Daisy, que se sente fascinada pelo mistério. Juntas, irão transpor a distância (tão curta, e no entanto tão vasta) que as separa de Davis, o filho do desaparecido.
Mas Aza debate-se também com as suas batalhas interiores. Por mais que tente ser uma boa filha, amiga, aluna, e quiçá detetive, tem de lidar diariamente com as suas penosas e asfixiantes «espirais de pensamentos». Como pode ser uma boa amiga se está constantemente a pôr entraves às aventuras que lhe surgem no caminho? Como pode ser uma boa filha se é incapaz de exprimir o que sente à mãe? Como pode ser uma boa namorada se, em vez de desfrutar de um beijo, só consegue pensar nos milhões de bactérias que as suas bocas partilham?
Neste tão aguardado regresso, John Green, autor premiado de A Culpa É Das Estrelas e À Procura de Alaska conta, com dolorosa intensidade, a história de Aza, numa tentativa de partilhar connosco os dramas da doença que o afeta desde a infância. O resultado é um romance brilhante sobre o amor, a resiliência, e o poder da amizade.

 

 

NOVIDADE | "O LIVRO DE EMMA REYES" | EMMA REYES

O Livro de Emma Reys_small.jpg

 

Viciada em livros de não fição aguardo ansiosamente por este livro para partilhar convosco a minha experiência de leitura. Espero um grande livro. Já está nas livrarias. 

 

SINOPSE

O Livro de Emma Reyes – Memória por Correspondência relata as memórias da duríssima infância – de abandono e exploração – da pintora colombiana Emma Reyes.  É também uma história de superação de inimagináveis circunstâncias por parte de uma mulher conduzida pela sua vontade férrea de liberdade.

Quando surgiu pela primeira vez na Colômbia, em 2012, quase dez anos após a morte da autora, esta autobiografia epistolar foi imediatamente considerada como um clássico. Em 23 cartas dirigidas ao amigo Germán Arciniegas, Reyes conta a história da sua infância e juventude, sem artifícios nem sentimentalismos, mas com competência e encanto narrativo raros. Publicado em mais de uma dezena de países, o livro conta com introdução de Leila Guerriero e dois textos finais, um por Gérman Arciniegas e outro por Diego Garzón.

Esta é uma correspondência capaz de transcender o tempo em que foi escrita, fixando os contornos de uma vida excecional.

NOVIDADE | "INSTRUMENTAL" | JAMES RHODES

capa.jpg

 

Amanhã nas livrarias (4)! Este é prioridade, leitura urgente. Leiam só esta sinopse.

Em Novembro, James Rhodes vem a Portugal para tocar pela primeira vez. Esta estreia acontece no Misty Fest, nos dias 13, na Casa da Música, no Porto; e 14, no CCB, em Lisboa. Gostava tanto de ir. 

 

 

SINOPSE

 

«Abusaram de mim aos seis anos. Internaram-me num hospital psiquiátrico. Fui viciado em drogas e álcool. Tentei suicidar-me cinco vezes. Separaram-me do meu filho.

Mas não vou falar disso. Vou falar de música. Porque Bach salvou-me a vida. E eu amo a vida.»

James confiava naquele homem simpático. Por que não haveria de confiar? Era seu professor na escola primária. A primeira oferta foi uma caixa de fósforos, um maravilhoso objecto de desejo para um menino de seis anos. Depois seguiram-se outros pequenos presentes, acompanhados de sorrisos, palavras de incentivo, gestos atenciosos. Depois começaram os abusos sexuais, que duraram vários anos, sem que ninguém na escola e na família se apercebesse. Quando terminaram, James afundou-se progressivamente num abismo de relações obsessivas, hospitais psiquiátricos e vícios destrutivos, uma espiral que o afastou do piano, para o qual revelara talento precoce. 

Mas foi um adágio de Bach, escutado durante um internamento, que o salvou de anos e anos no fundo do poço. Ao descobrir que também os génios por trás das mais sublimes composições eram homens com existências dramáticas, James encontrou nos pequenos milagres da música o reduto para sobreviver aos seus demónios pessoais. Um encontro inesperado com um desconhecido deu-lhe o impulso que James para reencontrar o seu caminho na música. Hoje é um pianista aclamado em todo o mundo.

Instrumental é um testemunho apaixonado e apaixonante, negro e luminoso sobre o poder terapêutico da música e a sua capacidade de transformar as nossas vidas, mas também, e sobretudo, sobre a nossa própria capacidade de reinvenção.