Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



QUER ANUNCIAR O SEU LIVRO? contactoclaudiaoliveira@gmail.com



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D



Perguntem a Sarah Gross | João Pinto Coelho

por Cláudia Oliveira, em 05.01.16

 

No Goodreads

A minha pontuação: 3*

 

A minha expectativa em relação a este livro era alta. Altíssima. Os rasgados elogios, criticas em jornais e revistas extremamente acutilantes. Um livro com quatro ou cinco estrelas em todas as opiniões no Goodreads? O que tinha de tão especial ? Nunca ouvi falar tanto de um livro de um autor português como foi o caso. Apesar de estar com o pé atrás, resolvi comprar o meu exemplar e descobrir sozinha. É a melhor forma, não é? 

 

A história desenrola-se com calma, sem acontecer nada que me fizesse ficar fascinada até à página duzentos e quarenta (se não estou em erro). Enquanto não acontecia nada, encolhia os ombros e pensava: não estou a perceber os motivos de tanto sucesso. Quando aconteceu o que aconteceu, não senti nenhum impacto. Se houve uma cena que mexeu comigo, essa cena aconteceu antes do primeiro ponto alto da história. E mesmo assim senti que o autor não desenvolveu bem a ideia. Nunca mais falaram num personagem que só entrou no colégio da Sarah Gross para ser discutido o racismo nos tempos modernos. Quem leu, sabe do que estou a falar. Isso incomodou-me. Assim como a importância da professora Kimberly na história depois do tal "ponto alto". Ela passou a ser passiva, apenas uma peça para o resto da história ser contada. 

 

As três estrelas representam a falha na minha expectativa, a falta de emoção nos momentos que pedia emoção. A justificação dos acontecimentos também é forçada. Alguns personagens são deixados para trás. As páginas finais são as melhores num romance que podia ser menos extenso. 

 

 

O melhor da existência deste romance é a frescura que o autor traz à literatura nacional. O Holocausto tem infindáveis pontos de vista, neste romance é diferente de tudo o que li. A história de Auschwitz  antes de ser Auschwitz. Merece por isso a consideração dos seus leitores. 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



QUER ANUNCIAR O SEU LIVRO? contactoclaudiaoliveira@gmail.com



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D