Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



QUER ANUNCIAR O SEU LIVRO? contactoclaudiaoliveira@gmail.com



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D



O Meu Nome é Lucy Barton | Elizabeth Strout

por Cláudia Oliveira, em 12.09.16

IMG_2875.JPG

 

No Goodreads

Minha pontuação 5*

 

As palavras deste livro são tristes mesmo quando são alegres. Não é um sofrimento exposto, é algo mais pessoal, que se esconde. Algo que poucos conseguiriam compreender. 

 

 

Lucy Barton fica no hospital mais tempo do que devia. Inesperadamente vai receber a visita inesperada da sua mãe. Não vê a mãe há muito tempo, ela nem sequer conhece as netas. A mãe acaba por ficar alguns dias. 

 

O desespero por um amor que nunca teve, um "amo-te" que faltou por falta de coragem da própria mãe faz dela uma mulher carente e melancólica. Apesar de conversarem sobre assuntos mais sérios, não conseguem tocar nas feridas do passado. A carrinha, a maldita carrinha onde a Lucy era colocada para os pais irem trabalhar e os irmãos estudar. 

 

Lucy agarra-se àquele momento de ter a mãe só para si para sentir-se feliz. Não quer ficar boa, não quer que ela vá embora. Quer continuar a sentir aconchego, escutar as suas histórias. 

 

"Senti que as pessoas podiam não compreender que a minha mãe nunca foi capaz de dizer a palavra "amo-te".

 

"...nunca sabemos, e que munca saberemos, o que é compreender inteiramente outra pessoa..."

 

 

O livro é uma história sobre relações, a falta delas, a falha de comunicação entre duas pessoas que estão na vida uma da outra para sempre. É uma história comum escrita de forma maravilhosa e tocante. 

 

Enquanto que a mãe a incentiva, "olha para a tua vida, hoje em dia. Tu seguiste em frente e... conseguiste", ela vê a vida de outra forma, "esta é a história de uma mãe que ama a sua filha. De modo imperfeito. Porque todos nós amamos de forma imperfeita". Uma mãe que nunca a beijou, abraçou ou transmitiu afecto. Um pai seco e brusco nas suas palavras. Uma base familiar desequilibrada com um silêncio enorme no meio de todos. 

 

Por ter sido uma experiência de leitura tão intensa, acabei por emocionar-me agarrada ao livro e dizer baixinho, "o meu nome também é Lucy". Maravilhoso.

 

ISBN: 9789896651176

Edição ou reimpressão: 09-2016

Editor: Alfaguara Portugal

Idioma: Português

Dimensões: 152 x 233 x 12 mm

Encardenação: Capa mole

Páginas: 176

Autoria e outros dados (tags, etc)



QUER ANUNCIAR O SEU LIVRO? contactoclaudiaoliveira@gmail.com



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D