Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




QUER ANUNCIAR O SEU LIVRO? contactoclaudiaoliveira@gmail.com



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D



 

 

Querem um conselho daqueles para levar para a vida? Leiam este livro!

 

Chimamanda foi babysitter, criou sobrinhos e filhos de amigos próximos. Conviveu de perto durante bastante tempo com crianças. Ela é feminista, "todos devemos ser feministas". Posto isto, uma amiga de Chimamanda queria saber como educar a filha acabada de nascer como feminista. Pois estava confusa e precisava de orientação. Não sabia como agir perante a maternidade e as suas decisões. Chimamanda aceitou o pedido e respondeu à sua amiga através de uma longa carta. Deu-lhe quinze sugestões. Servem para a sua amiga e para todos nós. Para os que não têm filhos e para todos os adolescentes.

 

Primeiro, este livro é de leitura obrigatória para quem tem interesse ou pretende conhecer mais sobre o feminismo. E mesmo para quem não quer, não custa nada sair da zona de conforto e dar uma oportunidade, não é? É um livro curto, apesar de muito informativo. Talvez seja necessário uma releitura para absorver tudo o que a Chimamanda pretende transmitir. Talvez seja necessário várias paragens para reflectir sobre o que acabámos de ler. Talvez seja necessário abrir os olhos sobre uma palavra que ainda cria muita confusa na mente de algumas pessoas: feminismo. 

 

A literatura tem um papel muito importante: informar, incomodar, sensibilizar e mudar mentes. Acredito intesamente nisso. Acredito no poder da literatura. A literatura pode causar estranhamento, iniciar grandes mudanças interiores e transformar-se em grandes decisões. Mudar a forma de olhar a vida, consequentemente olhar os outros e respeitar as suas escolhas. 

 

Se tenho uma escritora preferida (por acaso até tenho mais) ela tem o nome de Chimamanda Ngozi Adichie. Um nome que acabou por ser muito importante para mim. Nunca ninguém me explicara o que era o feminismo até encontrar esta escritora. Estão a ver o poder a literatura? Uma mulher nigeriana explicou-me o que era o feminismo sem conhecer-me. Obrigada, muita gratidão pela sua existência. Nem sei bem como tropecei nela. Ou talvez saiba.

 

Questionava-me há anos, defendia com unhas e dentes o papel da mulher em diversas situações. Existiam situações que me incomodavam muito. Desconhecia que não estava sozinha até encontrar um pequeno grupo no booktube. O booktube foi uma janela gigante. Sério, mulheres maravilhosas ajudaram-me imenso a entender o feminismo.  Elas não fazem ideia. O "leiamulheres"  também fez toda a diferença na minha vida. Mais uma vez a literatura a transformar-me, a ser uma extensão de mim mesma. 

 

Encontrei nas palavras de Chimamanda reconforto, identificação, entendimento. No fundo, um abraço apertado com uma nota agarrada: "não estás sozinha, somos muitas". Este livro ainda não foi editado em Portugal, mas tive a oportunidade de ler em ebook. Desta vez o poder das tecnologias. O meu respeito pela Chimamanda aumentou e bebi da sua sabedoria em cada palavra. Tenho tanta pena de não ter lido antes do nascimento do meu primeiro filho. Teria sido uma ajuda tão grande. No entanto, sei que agora nunca mais serei a mesma. Nunca mais vou questionar o meu papel como mãe dentro dos princípios feministas. Nunca mais vou sentir-me culpada com algumas decisões. Tenho orientação, sei como estar atenta e fazer a diferença na vida dos meus filhos. Farei o meu melhor.

 

Não vou dissecar o livro, nem revelar as sugestões de Chimamanda. Vou antes sugerir que o leiam. Um dos meus preferidos da vida, para reler sempre e recomendar a toda a gente. 

 

Sugestão dezasseis: coloque as palalvras de Chimamanda Ngozi Adichie no caminho dos seus filhos. 

 

goodreads twitter instagram facebook

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


4 comentários

Imagem de perfil

De Cláudia Oliveira a 20.04.2017 às 11:55

Ambos maravilhosos!

Comentar post




QUER ANUNCIAR O SEU LIVRO? contactoclaudiaoliveira@gmail.com



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D