Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Pai Nosso | Clara Ferreira Alves

por Cláudia Oliveira, em 24.01.16

IMG_7725.PNG

 

 

No Goodreads

Minha pontuação: 3*

 

É um livro árduo. Pela forma como está escrito e pelo tema. Um retrato sôfrego do que se passa no Médio Oriente. Demorei a terminar a leitura porque não é um livro para ler de uma ponta à outra sem parar, respirar fundo e deixar fomentar as ideias.  

 

As descrições das condições de vida das crianças foram as partes mais difíceis de ler. Como elas acabam por ser mártires assim que crescem o suficiente. "Como os porcos na engorda antes da matança". As crianças de Gaza não podem ter cães. Nem sabem que podem ter cães. É um animal impuro para o Profeta. 

 

"Enquanto o lunático falava, eu pensava que alguém devia oferecer um cão, um gato, um peixe, uma tartaruga, às crianças de Gaza. Para as ensinar a amar."

 

Maria é o nome da protagonista, uma fotografa de guerra. Somos levados a conhecer o que se passa dentro da guerra. Da cabeça dos que fazem a guerra. Como os terroristas tratam as pessoas, como seguem indiferentes ao resto mundo. O 11 de Setembro também está presente. A alegria dos terroristas. 

 

"É preciso prestar atenção a todas as coisas que acontecem pela primeira vez. 

Não só às coisas que acontecem pela primeira vez na nossa vida. A todas as coisas, as que acontecem fora da nossa vida e dentro de outras vidas. Quando um avião cai não é a primeira vez que acontece. Quando um avião decapita as Torres do World Trade Center é uma primeira vez. Os corpos a cair das janelas. Corpos que explodiram no chão sem que ninguém ouvisse o som porque a grande explosão abafou a pequena explosão."

 

No meio destas descrições agoniantes temos passagens muito bonitas sobre livros. Várias referências literárias. São estas passagens as minhas preferidas, que atenuam a dor das palavras do sofrimento descrito nesta história.  

 

"Quando a tia, numa dessas arrumações de sexta-feira em que escovava a casa de uma ponta à outra, decretou o exílio de Stendhal, que tomou por mais um russo transviado, corri a salvá-lo do caixote. Henri-Marie Beyle era orfão de mãe como eu, criado pelo pai e uma tia. Na companhia dele sentia-me poupada. Salvei A Cartuxa de Parma e escondi-o debaixo da cama, onde iria juntar-se a Tolstoi e Dostoievski."

 

Não é fácil falar sobre este livro. Nem é fácil gostar dele. Assim como não é fácil lê-lo. Recomendo com ressalvas.

Autoria e outros dados (tags, etc)


7 comentários

Imagem de perfil

De JP a 24.01.2016 às 15:36

Tenho-o na minha lista to-read no goodreads... mas não é para já!
Imagem de perfil

De Magda L Pais a 24.01.2016 às 16:00

foi uma das minhas últimas compras...
Imagem de perfil

De Cláudia Oliveira a 25.01.2016 às 10:56

Curiosa para saber a tua opinião.
Imagem de perfil

De sómaiscincominutos a 24.01.2016 às 17:57

tenha dúvidas sobre se comprar, embora goste da autora e as dúvidas avolumaram-se!
Sem imagem de perfil

De Adriano a 22.03.2016 às 11:36

Gostei do livro e recomendo. Na minha opinião está muito bem escrito, surpreendeu-me positivamente...
Sem imagem de perfil

De Paula a 03.06.2016 às 08:03

Li o livro de uma assentada,sem parar para respirar porque nao consegui.Um livro apaixonante sobre realidades e lugares inacessiveis que vai comprimindo o peito e termina com um murro no estomago.O murro da traicao, das primeiras vezes que concorreram insuspeitadamente para aquele desfecho.

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor


AUTORES QUE NOS UNEM

VISITA O SITE