Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

amulherqueamalivros

Memorial do Convento | José Saramago

capa.jpg

 

Existem várias edições deste livro, a minha preferência é a última edição. Um exemplar mora na minha estante. Uma capa simples com letras a negro. A edição está impecável.

IMG_0182.JPG

 

expetativa.jpg

 

Já tinha tentado ler duas vezes este livro, mas não passava das primeiras páginas. Felizmente, após ler as opiniões positivas das participantes do desafio Ler Saramago, fiquei cheia de vontade e agarrei no livro mais entusiasmada. Felizmente, este mês foi o momento certo.

enredo.jpg

 

A história passa-se no século XVIII durante o reinado de D. João V e a Inquisição. D. João promete construir um convento se a sua mulher engravidasse. E cumpre.

Temos também Baltazar e Blimunda, o casal central deste romance. Conhecem-se de uma forma inesperada, diria mágica, apaixonam-se perdidamente e vão viver juntos.

Depois, temos o Frei Bartolomeu Lourenço de Gusmão. Tem um sonho, construir uma passarola para voar.

A Inquisição persegue os sonhos de quem sonha e acredita neles.

personagens.jpg

 

O livro está repleto de personagens bem construídos.

Saliento a grande e maravilhosa Blimunda, por quem me apaixonei perdidamente como ela se apaixonou por Baltasar. Tem um dom, mas não vou contar qual. Ela e o seu amado Baltasar são um par romântico cheio de poesia e amor.

Frei Bartolomeu é um sonhador, um louco sonhador. Aquele homem que gostava de ter como amigo. Fiquei um pouco triste com o seu destino, mas é válido. Bastante válido.

escritaleitura.jpg

 

O livro é intenso, cheio de longas frases, com todas as características conhecidas do escritor José Saramago. Adoro, mas possivelmente cansativo para alguns leitores. Não recomendo este romance como primeira leitura.

geralerealidade.jpg

 

Pequeno aviso. Este texto de opinião é reduzido em relação à grandiosidade desta obra. Prima, obra-prima! O livro surpreendeu-me, emocionou-me e deslumbrou-me.  

Sempre olhei para as grandes obras do homem com algumas dúvidas. Como construíram este convento/palácio com as condições operárias na altura? Acho impressionante. Não havia a facilidade de mobilidade, muito menos as máquinas desenvolvidas de hoje. O livro descreve muito bem esse aspecto. Um bocadinho cansativo de acompanhar mas interessante.

O amor está presente neste livro. O amor aliado aos sonhos. Tem passagens muito bonitas. Quando o casal Blimunda e Baltasar se encontra pela primeira vez, quando fazem amor, a forma como comunicam, entre outros momentos de uma enorme sensibilidade e beleza.

A dura crítica à religião, a deus. Às pessoas que servem a deus.  Questionamentos sem fim.

Os sonhos de Bartolomeu em querer voar. A maldita Inquisição presente neste livro, destruidora de sonhos.

E aquele final? Tive de ler três vezes para perceber (Para interiorizar) realmente o que se tinha passado. Brutalmente fantástico.

Este livro entrou para os livros da minha vida. Mais uma vez, Saramago deixou-me atordoada com tanto talento. Fez-me pensar nos meus sonhos. No amor. Na vida, na curta vida para os sonhos. Na curta vida para amar.

notafinal.jpg

 

5 estrelas.

 Opinião da Michelle AQUI

5 comentários

Comentar post