Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




ATAQUE INFORMÁTICO

por Cláudia Oliveira, em 16.05.17

 

 

Este fim de semana fui à biblioteca. Não podia requisitar livros devido ao ataque informático. Estavam com segurança máxima, segundo a bibliotecária. Isso deixou-me a pensar. Na forma como a tecnologia nos faz bem e mal ao mesmo tempo. Como tudo tem o outro lado da moeda. Como somos seres humanos dependentes dos avanços tecnológicos e não temos um plano B para nada. 

 

Imaginem os piratas informáticos nas nossas vidas por mais tempo. Semanas, meses. Estaríamos prontos para encontrar no tradicional papel a solução ou ninguém está preparado para registar os livros dos leitores num quadrado minúsculo de papel reciclado? Teríamos canetas suficientes (e aqui estou a exagerar)? Saberíamos escrever sem correcção ortográfica sofisticada? Infelizmente muitos não saberiam escrever. Como seriam as pessoas sem poder requisitar livros? Muitos sobreviveriam, não dariam pelas portas fechadas das bibliotecas locais (aquelas sem papel, claro). Deixa-me tão triste. 

 

Quando um computador falha, sem salvação, foram-se as férias filmadas desde que os miúdos eram pequenos. Ou o dia do nascimento. E por isso, desde que nasceram, no momento de cantar os parabéns, não tiro fotos para mais tarde recordar. Até costumo dizer aos amigos e familiares presentes que as memórias querem-se connosco. E nisto sou teimosa. É como um ritual novo para aproveitar os momentos, não deixo escapar um sorriso dos meus filhos. E eles querem-me com as mãos livres, para os abraçar e afagar os cabelos. Não querem ver ecrãs de telemóvel em vez de rostos felizes. Aposto que não. Uso esta técnica em vários momentos. E não estou a dizer que eternizar um momento não é bom. Claro que é. Graças às fotos consigo ver as semelhanças entre os sorrisos deles. 

 

Isto do ataque informático deixa-me preocupada (mas consigo dormir na mesma). São os piratas dos tempos modernos que comandam o mundo. Os livros estão a salvo, venham os ebooks ou os audiobooks (esses nem pintados). E quem sabe escrever (sem erros) também. Lamento o rápido desabafo, juro que os meus pensamentos sobre o assunto foram longos e muito inteligentes. 

 

(este post não tem publicidade alguma, obviamente)

Autoria e outros dados (tags, etc)


13 comentários

Imagem de perfil

De Gorduchita a 16.05.2017 às 10:00

Claramente, o mundo não está preparado para regressar aos tempos sem tecnologia. Até admito que, durante uns tempos, fosse possível fazerem o registo das entregas de livros manualmente, mas nos dias que correm já ninguém esá preparado para isso.
Na empresa que trabalho, temos atendimento ao público.Todos os formatos eletrónicos existem numa versão em papel, para situações pontuais. Mas é sempre numa perspectiva de registo informático futuro, nunca a pensar que vai ficar simplesmente em papel.
Um ataque de proporções maiores deixaria o mundo parado e sem saber o que fazer. Perder-se-iam memórias, registos, informações importantíssimas... nem é bom imaginar!
Imagem de perfil

De Cláudia Oliveira a 16.05.2017 às 16:17

Não estamos de facto preparados. :( Seria uma perda enorme.

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor


QUER ANUNCIAR O SEU LIVRO? claudiaoliveira23@gmail.com


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D