Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




"Hidden Figures" | Um pouco de cinema

por Cláudia Oliveira, em 07.02.17

 

Acabou de estrear em Portugal o filme que conta a história das mulheres afro-americanas que contribuíram para a exploração do espaço pela NASA. Tentei ler o livro, mas abandonei. Apesar dos factos muito interessantes acaba por ser um livro muito aborrecido. Eu já vi o filme e fiquei maravilhada com estas mulheres. É aquele filme que entra na nossa vida para acrescentar. Uma temática necessária nos tempos actuais. Mais difícil que ser mulher, é ser  negra na década de 40. A inteligência não tem sexo nem cor.  Podem comprovar com a visualização deste filme. Aliás, elas tinha um balneário a um quilometro de distância do posto de trabalho. Um balneário só para pessoas de cor. Arrepio-me sempre com histórias de crueldade e racismo. Gostava de entender o que se passava na cabeça dos seres humanos ao considerar outros da sua espécie uma raça inferior. Gostava mesmo. De todos, este é o meu tema preferido. É um tema muito visto no cinema e na literatura, mas existe sempre um novo ponto de vista, um momento na história por descobrir e emocionar. A história desta mulheres não vai deixar ninguém indiferente. O filme tem um grande elenco também. Só grandes nomes. Posto isto, façam o favor de ir ao cinema ver com os próprios olhos como a humanidade tratava (trata?) os seus. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Confissões de Inverno" | Bredan Kiely

por Cláudia Oliveira, em 06.02.17

IMG_20170206_135924.jpg

 

Um adolescente perdido, uma mãe focada em festas sociais, um pai ausente. Aidan encontra um refúgio nos braços do padre da aldeia. Um homem com uma voz calma, muito querido pelos habitantes da aldeia. No entanto, é tudo aparência, ele abusa das crianças que frequentam a igreja. Tudo se passa numa cave, após um copo de whisky. 

 

Aidan é confrontado com as dúvidas comuns de um adolescente à procura da sua identidade. É claramente uma criança que precisa de ajuda dentro da sua própria casa. A única pessoa que se preocupa com ele é a empregada Elena. Uma mulher que nem sequer é estimada pela patroa. Ele também  procura nas drogas, junto dos colegas da escola, um escape para enfrentar os dias. Existem momentos no livro muito realistas entre os adolescentes envolvidos em álcool e drogas. As minhas partes preferidas foram as cenas entre o Aidan e o padre. São tensas e deixaram-me ansiosa e revoltada. É um tema deliciado, que provoca náuseas. 

 

São descobertos todos os anos casos de pedofilia dentro da igreja católica . Este livro é o retrato realista da manipulação da igreja perante situações semelhantes. Aliás, o escândalo retratado no filme "Spotlight" em Boston é referido neste livro. Quem não se recorda? Como se comportam os padres depois de descobrirem? Que recomendações dão às crianças? Foi difícil de assimilar tal crueldade. 

 

Esta história também me fez pensar na forma como muitos pais banalizam o crescimento dos seus filhos. A presença e vigia regular é bastante importante no seio familiar. Talvez este livro passe a ideia que a pedofilia só acontece em ambientes familiares desequilibrados, facto que discordo em absoluto. É através de manipulação e uma voz hostil que a maior parte dos casos acontece. Às vezes, são os próprios familiares. O medo das crianças é sempre o maior obstáculo para os casos serem descobertos. Na igreja católica são abafados e maior parte dos abusadores saem ilesos.

 

Gosto quando um livro me surpreende e me provoca sentimentos vários. Foi o caso deste. Recomendo. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Lion" Um pouco de cinema

por Cláudia Oliveira, em 03.02.17

IMG_20170131_125420.jpg

 

 

Confesso que não amei o livro. "A Longa Estrada para Casa" apesar de ser uma história triste e real não me arrebatou. Alegrou-me saber que acabou bem. O livro começa pelo final, revela o reencontro de Saroo com a mãe biológica. E não é spoiler, é revelado em cada canto do livro. É a busca de Saroo pelo regresso  a sua casa. Ele perde-se de uma forma estúpida e a sua vida acaba por sofrer uma reviravolta de 360 graus. Talvez se aquela primeira página não estivesse exposta no inicio do livro eu teria outra experiência ao longo da leitura. A sensação de angustia seria permanente. Mas gostei e valeu a pena ler alguns pormenores que não aparecem no filme. E por falar no filme, gostei dele. Mais dele do que do livro. A cena final foi emocionante, chorei litradas. E aqui eu já conhecia a história. Talvez tenha sido o poder das imagens a superar o poder das letras. As adaptações começam a dar cartas e a frase: "o livro é melhor que o filme" perde a sua força. O pequeno Saroo é um mimo, não dá para ficar indiferente. E sabem o que mais me revoltou? A realidade das crianças exposta no filme. Milhares de crianças sofrem na rua, muitas crianças passam fome. O filme faz serviço publico, uma valente chamada de atenção em relação a essa triste realidade. A sorte de Saroo? Ter os melhores do seu lado. Pessoas que sempre o apoiaram ao longo de toda a jornada. Maravilha. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

#Russialit | Vou ler

por Cláudia Oliveira, em 03.02.17

Irei ler um conto por semana para participar neste projecto. Vou escolher com o decorrer do mês. Para iniciar o projecto vou começar pelo famoso conto de Alexander Pushkin. Segundo as minhas pesquisas ele é o fundador da literatura russa moderna e um grande nome da poesia russa. Morreu novo, com 37 anos. Será o meu primeiro contacto com a escrita do autor. Estou com elevadas expectativas. Na próxima semana farei questão de partilhar a minha opinião. Se quiserem, façam-me companhia este fim de semana e leiam este conto também.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Silêncio" | Um pouco de cinema

por Cláudia Oliveira, em 02.02.17

 

 

 

Depois do livro, veio o filme. O último e mais recente filme de Martin Scorcese. "Silêncio", uma adaptação do livro do japonês Shusaku Endo. 

 

Um filme terrivelmente longo e lento. Lindo na sua grandiosidade e realização. É um filme difícil de agradar, pelo contrário. É necessário perseverança para chear ao fim. Assim como os jesuítas portugueses em busca do padre Sebastião. A missão não será fácil devido às circunstâncias. Passa-se no século XVII, no Japão, onde o catolicismo é condenado. Milhares estão convertidos à fé católica, o panorama não o mais favorável. As atrocidades cometidas em relação aos cristãos é arrepiante. O filme retrata na perfeição a dureza e os obstáculos que a fé enfrentou. Demonstra com profundidade as questões colocadas perante Deus e o seu silêncio. "Porquê Deus permanece em silêncio perante o sofrimento e as dúvidas dos crentes?". Quando acabou fiquei extremamente agradecida. Diante do livro, prefiro o livro. Foi importante para mim ver o filme e deparar-me com imagens chocantes para entender melhor a história. No entanto, o livro apesar de denso e profundo acabou por ser mais leve.

 

Recomendo com um aviso: paciência.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vlog | A minha biblioteca à noite

por Cláudia Oliveira, em 02.02.17

É de onde trago a maior parte dos meus livros! Adoro. 

 

Página Facebook Fábrica das Palavras

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Cinco propostas de filmes adaptados , a maioria já tem livro traduzido em Portugal. Estreias de Fevereiro a não perder. 

Vais ver algum? Ou ler algum?

Autoria e outros dados (tags, etc)

TBR Fevereiro | Mês pequeno, livros grandes

por Cláudia Oliveira, em 01.02.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Pág. 3/3




Mais sobre mim

foto do autor


AUTORES QUE NOS UNEM

VISITA O SITE


subscrever feeds