Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Mais sobre mim

foto do autor



Links

Opiniões

Blogs


subscrever feeds



"Uma Estranheza em Mim" | Orhan Pamuk

por Cláudia Oliveira, em 23.02.17

IMG_20170215_121916.jpg

 

Este senhor não sabe escrever um livro mau, nem razoável. Muito menos livros pequenos. 

 

Orhan Pamuk começa a integrar a minha lista de autores preferidos da vida. Um lugar que alcançou apenas com o meu primeiro contacto com a sua escrita em "O Museu da Inocência". De imediato decidi ler tudo escrito por ele. Assim que os meus olhos bateram neste seu último livro em Portugal na biblioteca, trouxe-o comigo. Um calhamaço de 640 páginas. Com capítulos longos e personagens intermináveis. Melhor de tudo? Acabou, e está quase a sair outro calhamaço pela mesma editora. Eu vou querer ler também. 

 

A forma como Orhan Pamuk escolheu para escrever esta história é bastante interessante. Primeiro conta a história principal, um romance iniciado de forma peculiar e dentro dos costumes de Istambul. Um homem apaixona-se pelo olhar de uma mulher durante uma festa, escreve-lhe cartas durante três anos até que combinam fugir juntos. Mas algo vai acontecer. Tenho lido opiniões no qual devendam este pormenor, ainda bem que não as li antes. O que acontece naquele momento deixou-me de queixo caído. Não posso dizer-vos, mas tenho muita vontade.

 

Achei bestial as voltas que o romance tem logo nas primeiras páginas. E as voltas que o romance tem durante o livro inteiro. Fui apanhada de surpresa várias vezes. Mas nem só de romance vive este livro. Como estava a dizer ele escreveu a história de forma a conhecermos os pontos de vista de todas as personagens ligadas ao romance principal. Ao inicio pode ser um bocadinho estranho, mas depois começa a ganhar fluidez e a história entranha-se. As personagens ganham vida. 

Mevlut é o nosso protagonista. Ele é vendedor de boza. Uma prática muito comum e tradicional em Istambul . Acaba por ser uma prática simbólica e muito importante para explicar o panorama geral vivo no país em relação ao comportamento e desenvolvimento do mesmo. 

 

É um retrato realista de Istambul entre 1969 e 2012. Desde a proibição do aborto, desenvolvimento tecnológico, entrada das mulheres na faculdade. É grandioso. Perturbador também. A nossa realidade é diferente, os choques culturais são inevitáveis. Os costumes e hábitos daquela sociedade não podiam estar mais detalhadas. E talvez por isso tenha sentido algum cansaço ao longo da leitura. O livro parecia interminável. 

 

Adorei e recomendo. Sobretudo para leitores sem pressa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Escrito por um psicanalista este livro parece ter todos os ingredientes para me agradar. Saúde mental também é muito importante para viver uma vida equilibrada. Dia um de Março. 

 

Sinopse

Aprendermos a amar-nos é difícil. Exige paciência e tempo. É necessário conhecermo-nos a nós mesmos. É necessário termos orgulho de existir. É necessário aceitarmos as nossas próprias qualidades e os nossos defeitos, qualidades e defeitos que nos tornam singulares e únicos.

Saverio Tomasella convida-nos a seguir o caminho desta aprendizagem. Quais são as etapas essenciais? Acima de tudo, é preciso descobrir o que nos impede de ser felizes, dando um sentido a estes impedimentos, libertando-nos deles: das angústias, dos sentimentos de culpa, das vergonhas, das exigências tirânicas, dos conflitos íntimos… Ao aceitarmos viver com a nossa solidão, abrem-se-nos relações criativas e fecundas.

Com este livro, encontrará uma disponibilidade interior nova para estar mais consciente em relação a si mesmo e mais aberto ao mundo, em todos os momentos da sua vida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lançamento | "Eu Como sem Glúten" | Marion Kaplan

por Cláudia Oliveira, em 22.02.17

Fiquei mesmo contente por saber que a editora Guera & Paz vai lançar este livro. Sobretudo por ser uma das minhas temáticas preferidas, a alimentação saudável. Aho muito importante uma alimentação sem glúten, cada vez mais. Dia um de Março. 

 

Sinopse

A maior parte da nossa alimentação contém glúten, uma proteína do trigo e outros cereais. Devido ao seu consumo em excesso, sofremos no dia-a-dia pequenos males, mais ou menos incómodos: distúrbios intestinais, problemas de pele, dores nas articulações, excesso de peso… Com tudo isto, como podemos recuperar o bem-estar e a vitalidade?

Marion Kaplan e Audrey Etner propõem-nos um guia prático e pedagógico, divertido e descomplexado para compreender porque se deve e como se deve comer sem glúten, sem nos privarmos de nada nem passarmos a viver numa caverna!

 

  • Descubra quais são os problemas que o trigo nos pode provocar.
  • Conheça facilmente que alimentos devemos privilegiar ou evitar.
  • Aprenda as técnicas essenciais para cozinhar sem glúten.
  • Experimente os melhores truques para comer fora sem se preocupar.

 

É hora de começar a escutar o nosso corpo e mudarmos os nossos hábitos alimentares. Porque uma boa alimentação é a chave para uma vida saudável!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lançamento | "A Mãe Eterna" | Betty Milan

por Cláudia Oliveira, em 22.02.17

image005.jpg

 

Li a sinopse e fiquei em pulgas. Preciso de ler este livro! Eu amo a temática. 1 de Março! Lembra-me um dos meus livros preferidos com a mesma temática, "Uma Duas" de Eliane Brum. Por acaso são as duas brasileiras.

 

Sinopse

A filha está cansada de ver a mãe definhar, esgotada. Aos 98 anos, com a saúde debilitada, a mãe mal ouve e quase não vê. A filha, que se vê no papel de mãe da própria mãe, questiona os médicos, as religiões, tudo. Para quê manter vivo alguém que já não vive?

Num relato comovente, em forma de diário, a filha descreve as peripécias do dia-a-dia com a mãe; ao mesmo tempo, este diário é um escape, um desabafo e um apelo à mãe — a mãe imaginária, a que tinha e já não tem, a que lhe lia, que a escutava e acalentava. A mãe que fazia o papel de mãe.

Um livro forte, uma reflexão gritante de tão actual, A Mãe Eterna apresenta-nos um dilema que mói a alma e nos faz questionar a vida, a morte e a relação mãe-filha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

image001.jpg

Eu li o romance "Fala-me de um dia Perfeito"e adorei. Foi um dos meus livros preferidos em 2015. Vem aí outro romance da autora, claro que quero ler. Dia 1 de Março! A capa é linda, não é?

 

Sinopse

Libby Strout, outrora a rapariga mais gorda da América, conseguiu finalmente ultrapassar o desgosto causado pela morte da mãe e está pronta para voltar a viver. Transformou-se e o que mais deseja é ser a rapariga que consegue ser tudo o que quer. No entanto, o resto do liceu não parece partilhar deste entusiasmo de Libby.

Jack Masselin é o típico rapaz popular do liceu: bonito, sempre com o comentário certo na hora certa. No entanto, o gosto que tem em perceber a mecânica dos objetos, em reconstruir e transformar tudo o que encontra, não lhe serve de muito na sua incapacidade para reconhecer caras. Jack tem prosopagnosia e à sua volta, familiares e amigos incluídos, parecem-lhe desconhecidos e são, para ele, um autêntico quebra-cabeças.

Quando o destino junta Libby e Jack, a solidão que cada um sente dá lugar a sentimentos muito diferentes… Uma história de superação e de um amor verdadeiro e invulgar que nos devolve a esperança no mundo, em nós e no outro.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Oscars | Apostas e desejos

por Cláudia Oliveira, em 21.02.17

Em relação ao melhor filme, o meu preferido é o "Moonlight". Quero que vença, vou torcer com todos os dedinhos. O filme mexeu tanto comigo, emocionou-me, arrepiou-me, destruiu-me. Em segundo no top e preferências estão dois, "La La Land" e "Fences". Um pela intensidade o outro pela carga emocional e interpretações. No final da lista estão os filmes "Lion", "Hell or Hign Water" e "Hidden Figures". São bons, mas não superam os outros. Melhor actor, o Viggo tem de levar o Oscar para casa. Por favor! E o filme tem de ser visto por toda a gente. Melhor actriz, estou com o coração dividido. A Natalie Portman está incrível! Mas a Isabelle Huppert é estrondosa neste filme. Melhor actor secundário aposto no Michael Shannon. Maravilhosa interpretação. Grande filme também. 

 

Vamos a uma lista com as minhas apostas e desejos:

Melhor filme: Moonlight

Melhor adaptação:Fences

Melhor ator: Viggo Mortensen

Melhor atriz: Isabelle Huppert/ Natalie Portaman

Melhor ator secundário: Michael Shannon

Melhor atriz secundária: Viola Davis

Melhor realizador: Barry Jenkins

Melhor filme estrangeiro: Toni Erdmann

Música: La La Land

 

Em principio vou fazer vídeo quando concluir todos os filmes e falar um bocadinho dos livros que serviram de adaptação. Está quase, estou ansiosa! Faltam-me completar as categorias: animação, documentário, curtas, melhor roteiro original. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vou a um workshop de escrita criativa

por Cláudia Oliveira, em 21.02.17

É já este sábado! Estou empolgada. Já tirei há uns anos um curso de escrita criativa, mas sinto falta de reciclagem e de voltar à escrita. Como adorava desenvolver essa capacidade... Podem ler mais sobre o assunto no blog da Catarina Duarte e inscreverem-se, o que acham? Vale a pena quando a alma não é pequena. Eu adoro estas coisas, aprender e sair da minha zona de conforto. Novas experiências são muito importantes nesta vida, não concordam?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um projecto lindo para Março

por Cláudia Oliveira, em 21.02.17

Desta vez venho divulgar o projecto  "Março Feminino", criado pela querida (linda e maravilhosa) Sandra do blog "Say Hello to my Books".Consiste em ler durante o mês de Março autoras e ver cinema realizado por mulheres ou focado em mulheres. A Sandra explica tudo no blog dela. Visitem! Eu vou participar e já estou a pensar bastante sobre a TBR para Março (será essencialmente composto por mulheres!). É um dos meus temas preferidos (quem viu o vídeo do Top Literário sabe do que estou a falar!). Vai ser o melhor mês do ano? Com certeza!

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Abre" | Mário Caetano | Uma noite de coaching

por Cláudia Oliveira, em 20.02.17

 

Sobre ontem

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

#Russialit Vou ler

por Cláudia Oliveira, em 17.02.17

 

 

Este fim de semana o conto russo será o primeiro escrito pelo Fiódor Dostoiévski. "Gente Pobre", de 1846. Ele tinha apenas vinte e cinco anos quando escreveu este conto. Estou curiosa para ver como começou este grande escritor. Alguém já leu? Alguém quer ler? Já preparei o ebook! 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/3




Mais sobre mim

foto do autor



Links

Opiniões

Blogs


subscrever feeds